Arquivo | Mulher RSS feed for this section

A Mulher Maravilha 

4 ago

Desde pequena adorava assistir as aventuras da Mulher Maravilha. Lynda Carter era minha ídola e eu sonhava um dia ser como ela.

Queria muito ter um avião invisível, um cinto de utilidades, um laço da verdade e braceletes protetores. Ah! Queria tambem aquelas pernas maravilhosas, a cinturinha de menina, peitões sedutores e a beleza fenomenal.

Mas, Deus não dá asa a cobra!!!! Se eu tivesse tudo isso, seria tão insuportável que nem eu me aguentaria.

Portanto, nada de braceletes, tiara, cinto ou laço. Muito menos pernões, peitões, cabelão e aquela coragem! Que jeito, né?Mas, os esmaltes, eu posso. Acabei de comprar o kit de esmaltes da MM e estou me sentindo a própria heroína. 

Quem ousa dizer que eu não sou a própria Mulher Maravilha?

Bjs

Nanda

Dormindo de meia

19 jul

Sempre achei muito feio dormir de meia. Uma breguice total mas, ultimamente, a breguice tomou conta de mim! Rsrsrs.

Primeiro foi o frio que me deixava completamente gelada. Nem a colcha e o edredom deram resultados e o jeito foi calçar um meiäo. Depois, os calcanhares racharam e a coisa complicou. Creminho e meia para ficar com os pés lisinhos de novo. E a gente que tem obsessão pela ditadura da beleza e fazemos tantas loucuras por ela, optamos por dormir de meia sem nenhum glamour.

Espero que o frio acabe, que os pés fiquem macios e que o glamour volte a reinar. Afinal de contas, ninguém merece dormir de meia ou ter essa imagem broxante antes de dormir. Ninguém vira burguês por dormir de meia.

Bjs

Nanda

A Mulher Maravilha ataca novamente 

17 jul

Já jurei que tinha colocado a Mulher Maravilha que vive em mim para dormir. Mas, tem épocas da nossa vida que o bicho pega, as coisas tumultuam e ela resolve aparecer.

Não que seja a opção da minha MM reaparecer mas, uma necessidade. Com tantas coisas acontecendo, preciso de forças para colocar tudo em ordem e fazer as coisas acontecerem. 

Já me apresentei várias vezes como várias mulheres em uma… Mulher, acima de tudo, mãe integral, esposa dedicada, dona de casa perfeccionista, executiva (já fui muito melhor!) e estudante (atualmente, de férias). 

Casa em obras, filhas na adolescência, crise na engenharia e muita paciência para dar conta do marido e de todos os problemas que surgem… 

Vamos, Mulher Maravilha, reapareça e assuma seu papel. Jogue seu laço, use seu cinto, voe no seu avião invisível e coloque tudo no eixo novamente. Depois volte para as suas férias e me deixe tranquila de novo.

Bjs

Nanda

Vamos malhar?

12 jul

Quem gosta de malhar de verdade, não se importa com frio ou calor. Arruma tempo e coragem para fazer os exercícios independente do clima ou da agenda de atividades.

Vejo muita gente inventando desculpas para deixar de ir a academia. Tudo vira um motivo para deixar a preguiça tomar conta. 

Comigo não tem tempo ruim. Não abro mão da malhação nem por decreto. Pode chover granizo e eu estarei lá, cumprindo a minha rotina de exercícios.  

Vou de casaco e calça comprida mas não tomo falta de jeito nenhum. Vou com sono ou com ressaca mas, não abro mão de malhar.

Vou, vou e vou…. Quem me acompanha?

Bjs

Nanda

A mãe de todos os grupos

16 jun

A dura vida de alunos e professores depois do WhatsApp por Leo Aversa em 1 de junho de 2017. Publicado em Vida Sustentável.

“Pode até não parecer, mas a vida das crianças tem andado bem dura nas escolas. 

– Pedrinho levou uma bronca, vocês podem acreditar?

– Uma bronca? Como assim? O que essa professora tá pensando? Tá doida?

– Pois é, olha a petulância: ele estava conversando com a Valentina sobre o novo iPad que ganhou, e a atrevida chamou a atenção deles. Pode?

– Essa mulher é muito insolente…

– Pedrinho chegou chorando em casa! Essa mulher fez meu Pedrinho chorar!

– Vamos fazer um abaixo-assinado!

Não é uma célula do Estado Islâmico, não é uma facção paulista. É um diálogo no Grupo de Mães no Whatsapp, o xerife da educação nacional.

– Vocês leram o livro recomendado pela escola?

– Menina! Que horror! E não é que o lobo come a vovozinha? Absurdo! Valentina não dorme há três dias! Fica me perguntando se um lobo vai comer a sua avó! E o psicólogo dela está de férias! Tô desesperada.

– Mas que falta de sensibilidade dessa professora! Não vê que são crianças! Crianças!

– Soube que na outra turma passaram um filme, um desenho animado antigo e superviolento. Já no começo dão um tiro na mãe do veadinho! Além de violento, homofóbico!

– Foi bala perdida? Essa violência tá incontrolável! Tão sabendo que tem uma quadrilha rondando a escola, né? Me passaram a notícia num outro grupo de Whats.

– Também recebi! Sequestram as babás e mandam pra China de submarino, para vender o cabelo e as unhas, com o resto fazem hamburgueres pro McDonald’s. Saiu num site.

– Só as babás? Menos mal…quer dizer, que absurdo! Esses chineses são esquerdopatas bolivarianos! Li um texto no Face sobre isso.

O corpo de baile do grupo é composto de mães normais, mas as solistas são as sem-noção e as surtadas. São elas que dão o tom. Que é algo entre a superproteção e o alarmismo, com um perfume inconfundível de reacionarismo classe média.

– ‘migas’, e essa história de campeonato de futebol…? Pedrinho tá horrorizado! Ano passado ele não ganhou e chorou sem parar na entrega dos troféus…

– O professor de educação física é um tirano! Já falei cem vezes pra ele que não deveria haver competição, muito menos vencedores! Só medalha de participação!

– Isso! Senão fica meia dúzia feliz e o resto traumatizado! É muita crueldade! Como explicar para uma criança que ela não ganhou? Vamos fazer um abaixo- assinado pra tirar esse professor petulante!

– A criança fica abalada pro resto da vida! Vi no outro grupo que já é uma epidemia mundial! Tem até um nome, SDM, Síndrome da Derrota Mirim! Nem Ritalina dá jeito! Tem que entrar direto no Prozac!

Para as solistas, o mundo existe para frustrar as crianças. A escola então, nem se fala, só está lá para estragar a vida dos pequenos. A função do grupo de Whatsapp das mães é evitar tal tragédia.

-Gente, vocês não sabem: Valentina hoje foi tomar um picolé na cantina, e o picolé caiu no chão!

– Como assim? Como assim?

– Caiu da mão dela!

– Mas a professora não estava lá para pegar no ar? A escola não providenciou outro? Que loucura!

– Coitadinha! Ela tá bem? Levaram pro Copa d’Or?

-…Tá em estado de choque, é claro, diz que não quer mais tomar sorvete na vida! Na vida!

– Inacreditável! Como permitem que algo assim aconteça! E com a mensalidade que a gente paga!

– Brasil, né? Amiga minha disse que lá fora isso jamais acontece.

– Isso aqui tá demais! Demais! Pra começar tem que acabar com picolé e casquinha na escola, aquilo é só problema, sorvete só no copinho. E com pratinho embaixo.

– Isso amiga, genial!

– Vamos fazer um abaixo-assinado.”

Será que eu tenho tempo e força para essas discussões?????? Tô fora!!!!

Bjs

Nanda

Contrato de professores – 1923

7 jun

Vejam como era o contrato entre professoras e escolas no início do século.

“Este é o acordo entre a Senhorita “Ana”, professora, e o Conselho de Educação da Escola “Raio de Luz”, pelo qual a Senhorita Ana se compromete a dar aulas durante um período de oito meses, a partir de primeiro de setembro de 1923. O Conselho de Educação se compromete a pagar a senhorita Ana a quantia de $75 mensais.

A senhorita se compromete a: 

1. Não se casar. Este contrato ficará automaticamente anulado e sem efeito se a professora se casa.

2. Não andar na companhia de homens. 

3. Ficar em sua casa entre às 8h da noite e 6h da manhã, a não ser que seja para atender uma função escolar.

4. Não passar pelas sorveterias do centro da cidade.

5. Não abandonar a cidade sob nenhum pretexto, sem permissão do presidente do conselho de delegados.

6. Não fumar cigarros. Este contrato fica automaticamente anulado e sem efeito se a professora for encontrada fumando.

7. Não beber cerveja, vinho ou uísque. Este contrato fica automaticamente anulado e sem efeito se a professora for encontrada bebendo cerveja, vinho ou uísque. 

8. Não viajar em carruagem ou automóvel com qualquer homem que não seja seu irmão ou seu pai.”

Imagina que absurdo!!!

Bjs

Nanda 

Depois de entrar nos “enta “…

2 jun

Quando temos vinte ou trinta anos somos super saudáveis e nada de ruim nos acontece. Estamos prontos para qualquer aventura e em qualquer momento.

Quando completamos quarenta anos, tudo começa a mudar. O braço fica curto para a visão ter foco. Ô trabalheira que é conseguir ler uma bula de remédio. As dores de coluna começam a surgir. A lombar e a cervical já não são mais as mesmas.

E as coisas vão piorando: osteoporose aparece e o tratamento é iniciado. Com o uso da medicação, surge o refluxo gástrico e, mais remédios a tomar. Unhas fracas e cabelo caindo, mais vitamina para dentro. E o peso que insiste em fazer parte da sua vida…. Haja dieta!!!!

Mais exames passam a fazer parte da rotina: mamografia, utrassonografias diversas e check ups semestrais. Até o cálculo renal resolve aparecer e causar aquela dor medonha! 

A sorte é que a paciência e a resiliência passam a fazer parte da nossa personalidade e conseguimos lidar muito bem com a nova realidade de ser uma quarentona!

Isso porque eu nem vou falar da menopausa pois, pelo menos esse problema não me pertence…

Bjs

Nanda

%d blogueiros gostam disto: