Tag Archives: mulher

Mulher, artigo de luxo!

11 jul

Sempre escutei que as mulheres são artigo de luxo. Que para serem belas e elegantes precisam gastar um pouquinho de dinheiro.

Os homens têm mania de achar que somos perdulárias e não têm a mínima ideia do custo da beleza. Imaginam que gastamos o nosso dinheiro apenas em compras e coisas fúteis. Não sabem que a beleza custa caro e que boa parte dos nossos investimentos são direcionados para a nossa aparência.

Dia de salão de beleza, unhas, massagens, tratamento de pele, cremes e fórmulas, ginástica, etc… Tudo isso custa muito caro e eles não imaginam quanto.

Tenho pena do meu marido que escolheu ter três mulheres e precisa arcar com uma conta tão cara. As adolescentes de hoje já se cuidam como gente grande e gastam igual também.

Bjs

Nanda

Anúncios

A casa das três mulheres

4 maio

Quem é mulher sabe o custo da beleza e elegância. Desde o valor pago em um salão de beleza com cabelos, unhas, sobrancelhas e depilação até os itens de vestuário, acessórios e maquiagem.

Os homens não passam por isso. Um terno, seis camisas sociais, cinco camisas esporte, dois pijamas, dois sapatos, um tênis, uma sandália e dez cuecas já enchem o armário masculino. Eles, realmente, não podem compreender todas as necessidades femininas.

Agora, imagine você, quando somos três mulheres em uma única casa! Todo o custo é triplicado. Somos três fazendo unha toda semana, três cabelos para cortar e hidratar, três mulheres se maquiando e se vestindo para os mesmos eventos. Haja dinheiro!

Bem que eu avisei ao marido que mulher é artigo de luxo, só tem quem pode! E ele escolheu ter três! Agora, não pode reclamar…

Bjs

Nanda

A INCRÍVEL GERAÇÃO DE MULHERES QUE FOI CRIADA PARA SER TUDO O QUE UM HOMEM NÃO QUER

9 mar

Li esse texto e resolvi compartilhar com vocês.

“Às vezes me flagro imaginando um homem hipotético que descreva assim a mulher dos seus sonhos:

“Ela tem que trabalhar e estudar muito, ter uma caixa de e-mails sempre lotada. Os pés devem ter calos e bolhas porque ela anda muito com sapatos de salto, pra lá e pra cá. Ela deve ser independente e fazer o que ela bem entende com o próprio salário: comprar uma bolsa cara, doar para um projeto social, fazer uma viagem sozinha pelo leste europeu. Precisa dirigir bem e entender de imposto de renda. Cozinhar? Não precisa! Tem um certo charme em errar até no arroz. Não precisa ser sarada, porque não dá tempo de fazer tudo o que ela faz e malhar.

Mas acima de tudo: “ela tem que ser segura de si e não querer depender de mim, nem de ninguém.”

Pois é. Ainda não ouvi esse discurso de nenhum homem. Nem mesmo parte dele. Vai ver que é por isso que estou solteira aqui, na luta.

O fato é que eu venho pensando nisso. Na incrível dissonância entre a criação que nós, meninas e jovens mulheres, recebemos e a expectativa da maioria dos meninos, jovens homens,  homens e velhos homens.

O que nossos pais esperam de nós? O que nós esperamos de nós? E o que eles esperam de nós?

Somos a geração que foi criada para ganhar o mundo. Incentivadas a estudar, trabalhar, viajar e, acima de tudo, construir a nossa independência. Os poucos bolos que fiz na vida nunca fizeram os olhos da minha mãe brilhar como as provas com notas 10. Os dias em que me arrumei de forma impecável para sair nunca estamparam no rosto do meu pai um sorriso orgulhoso como o que ele deu quando entrei no mestrado. Quando resolvi fazer um breve curso de noções de gastronomia meus pais acharam bacana. Mas quando resolvi fazer um breve curso de língua e civilização francesa na Sorbonne eles inflaram o peito como pombos.

Não tivemos aula de corte e costura. Não aprendemos a rechear um lagarto. Não nos chamaram pra trocar fralda de um priminho. Não nos explicaram a diferença entre alvejante e água sanitária. Exatamente como aconteceu com os meninos da nossa geração.

Mas nos ensinaram esportes. Nos fizeram aprender inglês. Aprender a dirigir. Aprender a construir um bom currículo. A trabalhar sem medo e a investir nosso dinheiro.  Exatamente como aconteceu com os meninos da nossa geração.

Mas, escuta, alguém  lembrou de avisar os tais meninos que nós seríamos assim? Que nós disputaríamos as vagas de emprego com eles? Que nós iríamos querer jantar fora, ao invés de preparar o jantar? Que nós iríamos gostar de cerveja, whisky, futebol e UFC? Que a gente não ia ter saco pra ficar dando muita satisfação? Que nós seríamos criadas para encontrar a felicidade na liberdade e o pavor na submissão?

Aí, a gente, com nossa camisa social que amassou no fim do dia, nossa bolsa pesada, celular apitando os 26 novos e-mails, amigas nos esperando para jantar, carro sem lavar, 4 reuniões marcadas para amanhã, se pergunta “que raio de cara vai me querer?”.

“Talvez se eu fosse mais delicada… Não falasse palavrão. Não tivesse subordinados. Não dirigisse sozinha à noite sem medo. Talvez se eu aparentasse fragilidade. Talvez se dissesse que não me importo em lavar cuecas. Talvez…”

Mas não. Essas não somos nós. Nós queremos um companheiro, lado a lado, de igual pra igual. Muitas de nós sonham com filhos. Mas não só com eles. Nós queremos fazer um risoto. Mas vamos querer morrer se ganharmos um liquidificador de aniversário. Nós queremos contar como foi nosso dia. Mas não vamos admitir que alguém questione nossa rotina.

O fato é: quem foi educado para nos querer? Quem é seguro o bastante para amar uma mulher que voa? Quem está disposto a nos fazer querer pousar ao seu lado no fim do dia? Quem entende que deitar no seu peito é nossa forma de pedir colo? E que às vezes nós vamos precisar do seu colo e às vezes só vamos querer companhia pra um vinho? Que somos a geração da parceria e não da dependência?

E não estou aqui, num discurso inflamado, culpando os homens. Não. A culpa não é exatamente deles. É da sociedade como um todo. Da criação equivocada. Da imagem que ainda é vendida da mulher. Dos pais que criam filhas para o mundo, mas querem noras que vivam em função da família.

No fim das contas a gente não é nada do que o inconsciente coletivo espera de uma mulher. E o melhor: nem queremos ser. Que fique claro, nós não vamos andar para trás. Então vai ser essa mentalidade que vai ter que andar para frente. Nós já nos abrimos pra ganhar o mundo. Agora é o mundo tem que se virar pra ganhar a gente de volta.”

Autoria: Ruth Manus

Bjs

Nanda

Dia internacional da mulher

8 mar

Não sou muito adepta dessas comemorações individuais por sexo ou raça. Acredito na igualdade das pessoas e odeio a discriminação.

Mas, até que sou simpática às comemorações do dia internacional da mulher. Vejo como uma oportunidade de resgate ao romantismo. Ainda lembro quando todas as mulheres de uma empresa em que eu trabalhei ganhavam flores do chefe. Um verdadeiro mimo.

Vejo, também, como um momento para reafirmarmos a importância da luta pela igualdade das mulheres, em mostrar ao mundo o quanto somos capazes e determinadas.

Serve também para lembrarmos do quanto éramos desvalorizadas no passado e o caminho que já percorremos até hoje.

Desejo a todas as mulheres um feliz dia de hoje, de amanhã, de depois de amanhã e sempre!!!!

Bjs

Nanda

Diamantes

23 fev

A sabedoria popular é clara e realista: “os diamantes são os melhores amigos de uma mulher”!

Quem não se impressiona com uma pedra tão rara e preciosa? E com um brilho tão intenso?

Os beijos serão sempre os beijos, o carinho será sempre de muita importância em um relacionamento. A amizade, compreensão e companheirismo não poderão faltar. O amor e o sexo se complementam e, quase se bastam. Mas, nada é tão completo sem o reflexo do brilho de um diamante no olhar de uma mulher.

É como hipnose, paralisa e modifica todo o comportamento. Transforma, acalma, adoça e a faz derreter de paixão.

Ah! Os diamantes…

Bjs

Nanda

Malhação

20 fev

Se engana quem pensa que um corpo esbelto cai do céu. Ou que não é preciso nenhum tipo de esforço para alcançar resultados satisfatórios.

Depois que passamos dos vinte anos, a manutenção da forma física requer mais cuidados. O peso extra adquirido em uma viagem, antes tão facilmente perdido, agora requer um pouco mais de atenção. Se não enfatizarmos os treinos, eles (os quilos extras) se acumulam e não largam mais da gente.

Depois de um longo período de férias, mesmo que não abandonando os exercícios físicos por completo, preciso de uma atenção especial ao corpo. Ficar de olho nos músculos e na prevenção da flacidez é uma meta a ser cumprida com rigor.

Já de volta à academia e a rotina de exercícios para manter a saúde e a forma física. É claro que os dois quilos extras serão enviados para bem longe em pouquíssimo tempo. Assim espero!!!!!

Bjs

Nanda

Limite de bagagem

12 fev

Adoro viajar e, se eu pudesse, carregava todo o meu closet comigo. Acho tão difícil essa parte de fazer as malas, escolher o que vou querer usar, independentemente do humor do dia.

Para piorar a situação, o limite de bagagens imposto pelas companhias aéreas nos deixam de pés e mãos atados. Vinte e três quilos por mala não dá para nadaaaaaaaa.

Definitivamente, não tenho maturidade para lidar com tão pouco peso por mala. Fico enlouquecida e não me livro da tarifa de excesso de bagagem. Esse custo já precisa estar previsto para não ser pega de surpresa.

Mas, o pior mesmo é passar vergonha na hora do check in e ter que abrir as malas e remanejar as malas. A balança para malas serve para isso. Mas, quem disse que eu consigo pesar as malas sozinha? É muito peso para uma mulher frágil e indefesa sozinha.

Quero de volta os trinta e dois quilos por mala já!

Bjs

Nanda

%d blogueiros gostam disto: